10/02/2020 às 01:33 Casamento

Como nos sentimos ao casar? Isabella & Guilherme

527
5min de leitura

Como nos sentimos ao casar? Isabella & Guilherme 

 Casar ou comprar uma bicicleta?

Parece bobo, mas como foi difícil a decisão de “oficializar” nossa união, como já morávamos juntos a um tempo tivemos muitas dúvidas se realmente valeria a pena. O noivo, era quem mais queria, achava importante comemorarmos as fases importantes da nossa vida. A noiva, sempre racional, questionava se realmente seria uma boa ideia, preferia viajar, investir em algo para eles e até então julgava esses gastos totalmente desnecessários. Eis que surge o consenso: Colocamos uma meta para realizar o casamento e conseguir viajar, juntamos dinheiro por um ano e aí sim começamos a planejar tudo, sempre do nosso jeitinho, poucas pessoas e uma cerimônia sem luxo, mas repleta do que consideramos essencial... A presença de Deus, nossa amada família, amigos verdadeiros, muito amor e cerveja gelada né? Rs

Enfim, marcamos a data, 15 de Novembro de 2019. Não foi fácil planejar o casamento à distância, mas entre muitas idas e vindas a Assis tudo foi tomando forma. Tínhamos tempo,então os preparativos iniciais foram tranquilos, mas como diz o Gui: “Quando você marca adata ela chega” rs e passou voando, no final fomos atropelados por uma infinidade de detalhesque nem imaginávamos ter por trás de um casamento.

No mesmo dia que marcamos a data fomos ao Buffet Bella Festa, o Valdir realizou minhaformatura em 2013, e a nossa primeira e já adianto, melhor escolha, não poderia ter sidooutra... Além dele ser um excelente profissional, é uma pessoa incrível. Confesso que o deixeidoido, toda reunião eu mudava algo, ele me ouviu, me aconselhou, me acalmou e deve ter mexingado um pouquinho também rsrs. Valdir, nos faltam palavras para agradecer o trabalhoimpecável que você e sua equipe realizaram. Desde a mobília ao cardápio, estava tudoPERFEITO, obrigada pela atenção, amizade, profissionalismo e paciência.

Por meio do Valdir, conhecemos a Dani, nossa querida cerimonialista, e a partir dela, osdemais profissionais. Sério, o mundo pode estar desabando na sua cabeça, ela conseguirá tetransmitir calma, tranquilidade e ainda continuar sorrindo. Uma pessoa extremamenteeducada, faz tudo visivelmente com amor. No dia do nosso casamento, era nítido o quantotudo acontecia com muita fluidez por meio dos cuidados dela e de sua equipe. Há quem digaque os noivos não aproveitam o dia do casamento, talvez seja porque essas pessoas nãotiveram uma Dani na vida delas, porque eu e o Gui conseguimos aproveitar demais cadasegundo, e foi muito gratificante ver tudo o que planejamos com tanto carinho seconcretizando daquela forma.

Chegou o tão esperado mês do casamento, por fim a semana. Chuva, frio, calor, chuva denovo, casamento na chácara, ah e claro os besouros (que se reproduzem bem nessa época doano – Quem iria saber ou se lembrar desse detalhe?) Futuras noivinhas, que se casarão naprimavera meio a natureza, agora já sabem hein rsrs. O noivo sempre calmo, com a certeza deque tudo daria certo, a noiva no mínimo DESESPERADA. Um ano antes do casamento,tínhamos escrito uma carta descrevendo em detalhes como queríamos que fosse nossocasamento, muito otimistas: “Um dia lindo, com sol durante o dia e uma noite agradável bemfresquinha com no máximo 22°C”. (Em pleno novembro no calor insuportável do interior, oGuilherme obviamente riu). Choveu muito a semana toda, mas sexta-feira amanheceu nossodia lindo de sol e a noite estava bem fresquinha, pasmem, teve até convidado com frio(Coloque Deus a frente e Ele cuidará de tudo!).

Finalmente dia 15, acordei tão tranquila que nem estava me reconhecendo. Tive uma tardedeliciosa no salão com minha mãezinha e minhas irmãs. Fui surpreendida com mimos, flores,cuidados e mais cuidados. O trio mais incrível (Ray, Be, Crispim) deram um show à parte.

A ansiedade bateu quando me vi pronta, foi um sentimento único e até engraçado. Já a caminhoda igreja, tive a certeza que não poderia ter escolhido pessoa melhor para me levar, só quemconhecesse o César, entende exatamente o que estou falando, além de uma caroninha emexcelente companhia e trilha sonora personalizada, ainda ganhei o presente de uma oraçãosincera, que abriu meu coração para viver aquele momento profundamente.

É imensurável o que sentimos e vivenciamos nesse período, nosso coração se enche desaudades e alegria ao escrever essas linhas. A cerimônia na Igreja foi muito emocionante paranós, receber o sacramento do matrimônio por meio do querido Padre Neto, com seu carisma eespontaneidade, tornou tudo ainda mais especial. Haja fôlego para tantas emoções...

Ao chegarmos na chácara, fomos totalmente surpreendidos por um cenário MARAVILHOSOfeito pelo Pedro Camilo. Eu não conseguia acreditar em como tudo estava tão perfeito, emuito além das nossas expectativas, mas muito mesmo. O Pedro não só realiza sonhos, comosonha junto com os noivos. Eu queria algo que fugia um pouco do convencional, cores, muitoverde, mais cores, samambaias, arranjos desconstruídos, e ele desde o início entendeuexatamente a ideia, mas como nosso orçamento já estava apertando, não sabíamos se seriapossível fechar com ele. Uma semana antes do casamento, fomos conversar com o Pedro, elembro perfeitamente do que ele me disse: “Isa, não se preocupe, nem que seja só paramontar sua mesa do bolo, ela ficará do jeito que você sonhou, eu vou fazer o meu melhor edentro do que vocês podem pagar”. Ele fez MUITO mais que isso. Pedro, voe alto! Torcemosdemais pelo seu sucesso, que toda felicidade que nos proporcionou volte em dobro para você.

E é claro que não poderia faltar os papais do Aaron (ai que criança mais linda, puxou a mamãeclaro rsrs), Aroldinho e Gi, que casal incrível, de uma energia e animação contagiante.Obrigada pelo show que deram, vocês travaram a coluna do meu pai, mas a causa foi boa,acho que ele nunca dançou e se divertiu tanto. Eu não vejo a hora de ver os registros de foto efilmagem para revivermos essa noite incrível. 

Aliás, Laert e Roger, que dupla dinâmica, super conectada, atenciosos, mega profissionais. Só vocês para fazerem o Gui tirar milhares de fotos sem reclamar tanto.

 Laert, é surreal a sua capacidade de transformar uma igrejinha antiga ou até mesmo uma plantação de milho, em um cenário para fotos lindas. 

Acompanhamos um pouquinho da sua evolução e ficamos muito felizes em ver o seu crescimento, suas premiações e conquistas.

Muito obrigada a vocês dois pela sensibilidade de eternizar o início de um novo ciclo, tão importante para nós.

Enfim... Teve piriri, frio na barriga, tremedeira, chororô, contas e mais contas para que tudoestivesse dentro do planejado, receio de dar algo errado, correria, muita 25 de março, cansaçoe a certeza de que TUDO valeu a pena.

 Somos imensamente gratos a Deus, nossa família,amigos e a todos os profissionais que estiveram conosco. Preciso admitir que o Gui realmentetinha razão em querer comemorar esse momento, inclusive o agradeço por insistir, porquesem dúvida, foi a melhor escolha que poderíamos ter feito. É algo muito particular, mas hojetemos convicção de que nenhuma viagem ou bem material poderia valer tanto comorelembrar a felicidade da nossa família, principalmente dos nossos pais, o reencontro comvários amigos, os conselhos e carinho dos nossos padrinhos, o turbilhão de sentimentosquando a porta da igreja se abriu e as eternas recordações que esse dia singular nosproporcionou.

10 Fev 2020

Como nos sentimos ao casar? Isabella & Guilherme

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Quem viu também curtiu

20 de Ago de 2019

Como nos sentimos ao casar? Bruna & Leandro

10 de Abr de 2020

Como nos sentimos ao casar? Lorena & Arthur

30 de Dez de 2021

Como nos sentimos ao casar E Nossa Historia Cauhe e Priscyla se resume assim :